banquinho-violao

[Teo FrancoA tributação, de tão permeada à sociedade humana, invade o campo da arte musical com manifestações para expressar essa relação inevitável do homem com o seu dever de “repartir entre as tribos”.

Nos anos 60 um grupo de jovens formou a banda The Quarrymen, trabalhando durante os primeiros anos em casas noturnas e recebendo o cachê em dinheiro, colocados em pequenos sacos. Por ignorar, conscientes ou não, as obrigações tributárias, em determinado momento, depois de terem seus rendimentos aumentados, foram vítimas do superimposto inglês sobre a riqueza. Afinal, desde a revolução americana, a Inglaterra já era famosa por sua mão pesada na arte de tributar.

A canção de autoria de George Harrison retratou o sentimento dos rapazes de Liverpool que se consagraram pela estupenda trajetória dos Beatles.

Taxman

Let me tell you
How it will be.
There’s one for you,
Nineteen for me,

‘Cause I’m the taxman.
Yeah, I’m the taxman.

Should five percent
Appear too small,
Be thankful I don’t
Take it all.

‘Cause I’m the taxman.
Yeah, I’m the taxman.

If you drive a car,
I’ll tax the street.
If you try to sit,
I’ll tax your seat.
If you get too cold,
I’ll tax the heat.
If you take a walk,
I’ll tax your feet.

Taxman!
‘Cause I’m the taxman.
Yeah, I’m the taxman.

Don’t ask me what I want it for,
(Uh-uh, Mr. Wilson.)
If you don’t want to pay some more.
(Uh-uh, Mr. Heath.)

‘Cause I’m the taxman.
Yeah, I’m the taxman.

And my advice to
Those who die.
(Taxman!)
Declare the pennies
On your eyes.
(Taxman!)

‘Cause I’m the taxman.
Yeah, I’m the taxman,
And you’re working for no one but me.
(Taxman!)

Veja a tradução e ouça a música

No Brasil, alguns artistas, também, retrataram o seu sentimento frente ao apetite do Leão, dentre eles, Zé Rodrix, que em 1982 compôs “Home do Imposto de Renda”:

Lá vem o hômi
Do imposto de renda
Ôtoridade
Do Ministério da Fazenda
Quer me botar na moenda

E ver se eu danço o régui enquanto
Ele me antenta
Lá vem o hômi
De pasta e de agenda
Cujo soneto é sempre pior
Do que a emenda

Metendo bronc’
Botando banc’
Ele é quem mand’
No meu Imposto de Renda
Ele falou que infelizmente eu soneguei
30% além daquilo que eu paguei

Como é que fica
Seu eu já não ganho quase nada
E pelo andar da carruagem
Eu vou pagar pra trabalhar
Até da renda que eu comprei no Ceará
Ele levou mais da metade e olhe lá

Como é que fica
Vou morar debaixo da ponte
Vou me acabar na Barrafunda
De baixo da roda do trem

Ouça a música

Outro artista da MPB, o intérprete e compositor consagrado Djavan, deixou registrado o tema em uma de suas canções “Imposto”:

IPVA, IPTU
CPMF forever
É tanto imposto
Que eu já nem sei!…

ISS, ICMS
PIS e COFINS, pra nada…
Integração Social, aonde?
Só se for no carnaval

Eles nem tchum
Mas tu paga tudo
São eles os senhores da vez
Tu é comum, eles têm fundo
Pra acumular, com o respaldo da lei

Essa gente não quer nada
É praga sem precedente
Gente que só sabe fazer
Por si, por si

Tudo até parece claro
À luz do dia
Mas claro que é escuso

Não pense que é só isso
Ainda tem a farra do I.R.
Dinheiro demais!
Imposto a mais, desvio a mais
E o benefício é um horror

Estradas, hospitais, escolas
Tsunami a céu aberto,
Não está certo.

Pra quem vai tanto dinheiro?
Vai pro homem que recolhe
O imposto
Pois o homem que recolhe
O imposto
É o impostor
Ouça a música

No caso dos Beatles, depois de um tempo, eles criaram a Apple – misto de gravadora, editora e promotora de eventos – na tentativa de aplacar o quinhão tributário, entretanto, essa iniciativa ficou longe de ser um sucesso, até mesmo como estratégia de planejamento tributário. Ainda na década de 1970, cada Beatle continuou a ser atormentado por grandes contas de impostos, na casa de milhões de libras esterlinas. No final, além de outros motivos, o apetite tributário inglês pode ter causado o gradual desencanto que os Beatles começaram a sentir com sua empreitada. Tudo isso foi afetando a disposição dos componentes da banda em seguir com seus múltiplos compromissos artísticos e publicitários.

De um modo geral, devido ao emaranhado legislativo, não são poucos os artistas que se veem obrigados a recorrer aos serviços de consultores especializados, para, simplesmente dar conta de suas obrigações tributárias, além de tentar obter soluções jurídicas menos onerosas para a sua riqueza. Essa foi a alternativa utilizada, algum tempo depois dos Beatles, por outra banda de grande fama, os Rolling Stones.

À parte das críticas sofridas através dos desabafos e sátiras musicais – relevantes para reflexão do tema – o dilema continua, marcado pela experiência marcante dos legendários Besouros de Liverpool, que geraram enormes quantias para muitos, porém, em escala bem menor para eles próprios.
Harrison, em entrevista de 1980, declarou:

Taxman foi escrita quando descobri que, apesar de estarmos ganhando dinheiro, a maior parte estava sendo drenada pelos impostos. Era e ainda é uma realidade”.

A ironia da história fica por conta da recente notícia de que o biógrafo da banda, Hunter Davies, ao doar manuscritos dos Beatles à Biblioteca Britânica, em troca, terá redução de impostos [i].

[i] http://oglobo.globo.com/cultura/escritor-doa-manuscritos-dos-beatles-biblioteca-britanica-8465651

Discussion - 2 Comments
  1. Alexandre

    jul 26, 2013  at 12:01 am

    Muito interessante o artigo ! Como beatlemaniaco que sou e tambem contabilista e advogado tributarista, conhecia a história de TAXMAN. As demais não tinha conhecimento, mas muitos artistas tentam burlar o leão, abrindo empresas individuais, recente caso do apresentador Ratinho, que, pelo que sei, recebeu multa milionária da RFB. Uma pequena história sobre taxman: meu pai foi AFR-SP e, quando eu me encontrava com ele cantava um trechinho de musica misturando canções dos Beatles (Taxman e Here Comes the Sun, alias ambas de George Harrison): ” here comes the taxman ” … acho que ele nunca entendeu ! Bons tempos!

    Responder

  2. Pingback: O imposto cantado na música | BLOG do AFR . com

Leave a Comment